4 de dezembro de 2014

mais novos abatimentos

Olá, pessoal!!!

Vim para atualizar minha planilha de dívidas dívidas. Foi embora um crédito consignado... muita felicidade. Ainda estou resolvendo a questão do plano de saúde. Comecei a frear os impulsos consumistas, hehhee. Também já não tenho o incômodo de ter cheques descontados da minha conta. Creio que estou no avanço. Cada 50 reais que sobra, uso para amortizar parcelas  ^^


Como estava x Como fiquei



Quanto devia antes x Quanto sobra hoje



Ainda estou na dependência da conclusão da papelada do imóvel para pegar o valor principal com o proprietário e poder quitar mais coisas... mas já me adiantei um bocado, né? Fala sério. Uma vitória e tanto para quem começou devendo quase 1 salário, né?

Um beijinho

14 de outubro de 2014

Flávio Augusto: mestre, mentor, ídolo

Flávio Augusto é um cara daqueles que você PRECISA admirar, no mínimo, hehehe.

Foi através da Geração de Valor que eu comecei a sair mentalmente da corrida dos ratos: ele mostrava a cada postagem que ser medíocre era o socialmente aceitável e que isso poderia emburrecer até as mentes mais brilhantes.

Só com os textos dele que fui me abrindo para esse novo mundo de boas práticas e aperfeiçoamento pessoal. Deixei (hoje, mentalmente) de ser apenas uma pagadora de contas!!! Enquanto houver vida, haverá desenvolvimento ;)

Abaixo um dos textos dele, tirado do Geração de Valor.


4 REQUISITOS BÁSICOS PARA O SUCESSO DE SEU PROJETO

O primeiro ingrediente necessário para alcançar o sucesso de seu projeto é a desenvolver uma mentalidade vencedora. Através dessa mentalidade, desenvolve-se uma atitude e hábitos vencedores. Diferentemente, como infelizmente percebemos no comportamento da maioria das pessoas que adquiriram pensamentos e comportamentos nada produtivos, os seus hábitos frequentemente os conduzem à estagnação.

O segundo ingrediente para o sucesso de seu projeto é o conhecimento.

O terceiro ingrediente para o sucesso de um projeto é o seu networking. Conhecer as pessoas certas que poderão lhe ajudar, parceiros de negócios, potenciais clientes, dentre muitas possibilidades a serem exploradas através de sua rede de contatos.

O quarto ingrediente é o capital.


Outro trecho de texto genial




 Suba no palco, não tenha medo de cair, seja forte para lidar com as dificuldades e não seja manipulado por discursos políticos que promovem o coitadismo a fim de aumentar o seu rebanho de descontentes convencidos de que são vítimas do sistema e por isso merecem uma recompensa do Estado as custas dos que trabalham e pagam os seus altos impostos.  

Sua inteligência, criatividade e determinação são capazes de transpor essas barreiras aparentemente intransponíveis, gerando prosperidade e dignidade para sua vida e dos que lhe cercam.  

Ele, sem sombra de dúvidas, é meu pai rico.


Tirando o grande Warren Buffett, quem é o pai rico de vocês?

Um beijinho

30 de setembro de 2014

Casamento e seus gastos

Entramos na primavera e, com ela, diversas noivas decidem que essa é a melhor época para casar: o tempo está ameno, as árvores, floridas e os promotores de eventos, com sangue nos olho$$$!!! Vamos faturar!!!

Já havia comentado lá em maio que eu não quero um casamento "tradicional", isto é, não me casarei por causa de dinheiro - será separação total de bens, sendo eu mais abastada ou não que o moço; não mudarei meu sobrenome (é comum, mas é minha essência desde que nasci), haja vista que quem nomeia é quem exerce o poder. Você tem o sobrenome de sua família, porque eles te comandaram do 0 aos x anos. A pessoa que estiver ao meu lado não me enfiará seu sobrenome - haja vista que terá coisas mais interessantes e anatômicas para isso, né, gente? Ele não me está comprando, pois não estou à venda. Em caso de divórcio - sim, pode acontecer, vamos ser realistas -, não serei a otária que tornará a mudar 4654652 documentos para o nome de solteira e terá um mini-ataque-cardíaco toda vez que vir o sobrenome do ex na conta de luz. Quero gastar no máximo 3 mil contando tudo: registro no cartório, aluguel de terno para ele, eu vou com a roupa do corpo mesmo, as fotos serão batidas pelas testemunhas com o celular mesmo e terão os gastos com o restaurante que encerra essa fase de civilmente solteiros. Teremos 1 conta pessoal cada e 1 conta conjunta para gastos. Não sou maluca de investir em uma conta conjunta... Minha pretensão é morar a 5 minutos do trabalho a pé, num apartamento que tenha o mínimo para eu ser feliz dentro dele. O único luxo que terá dentro dele, se depender só de mim, será a cama, pois essa deve ser boa pra dormir e furunfar, né?

Não quero ter filhos, pois são um puta gasto, uma decepção sem fim, você viverá sempre preocupado com eles e se sentirá moralmente culpado todos os dias por ter posto as coisas que você mais ama nesse mundo de merda que é o nosso... Não, eu também detesto bicho, pelos mesmos motivos citados. Talvez, plantas.

Sou uma pessoa não convencional? Que bom, que seja!

Um beijinho

24 de setembro de 2014

Menos alguns

Amigos queridos!!!

Venho aqui para avisar que consegui me livrar de algumas dívidas. Fui amortizando aos pouquinhos e agora consegui quitar 2 dívidas, eeeeeeeeeeeeeeeeeee. Não tenho mais dívidas no banco 1 (restou só o cartão de crédito, que está em dia) e quitei uma das dívidas com o banco 2.


Como estava x Como fiquei





Quanto devia antes x Quanto sobra hoje


Ainda estou na dependência da conclusão da papelada do imóvel para pegar o valor principal com o proprietário e poder quitar mais coisas... mas o básico já está sendo feito. Uma vitória e tanto para quem começou devendo quase 1 salário, né?

Agora que não estou mais devendo tanto, sigo cobrando e planejando mais amortizações... Daqui a pouco já poderei emprestar ao Eike, que está na classe média e devendo 1 bilhão de obamas.

Um beijinho

28 de agosto de 2014

Mais de 9 mil!!!!

E aí, pessoal, tudo certo com vocês?

Ainda estou na merda, mas não vamos focar nisso. Quando vi que tinha mais de 9 mil visitas, resolvi escrever sobre isso.



Visitas de várias partes do mundo!!! Adorei ver as estatísticas!!! Resolvendo as pendências da vida/apartamento/finanças, hei de retornar com força. Tenho várias ideias de postagem, mas estou sem tempo meeeeeeeeeeeeesmo!!!

China, Reino Unido, Ucrânia... que bacana :D

Índia, Alemanha... show demais :D

Tenho apenas acompanhando o blog dos amigos... Uó postou um ótimo texto sobre gratificação postergada, Guilherme postou uma resenha de um livro muito interessante, o investidor de risco postou sobre seguros... já estudei um pouco para o excelente concurso da SUSEP  e o executivo pobre, colega de iniciação nos blogs, escreveu sobre educação e os candidatos.

Estou acompanhando, mesmo que distante, viu?

Mas, já, já, eu volto.

Um beijinho


14 de agosto de 2014

O que já estava ruim...

Quem disse que não dá pra piorar?

O namorado descobriu o blog, leu o que eu achava da mãe dele e, adivinhem... puf... já era :(

As provas da pós estão chegando e eu estou sem cabeça pra definir políticas públicas, governamentais, sociais... tô ferrada :(

No campo financeiro, sem novidades...

Minha instituição mudará as regras do plano de saúde e ficarei a ver navios a partir de outubro... mais uma coisa para correr atrás...

Como minha psicóloga faz falta...

Depois das provas, devo voltar a escrever mais...

Um beijinho

1 de agosto de 2014

Só tiro, porrada e bomba

Oi, gente

Hoje vim desabafar...

Vamos lá:


  • Minha psicóloga tomou chá de sumiço. Tirou férias, parece que já retornou e nada de me ligar. O dinheiro das consultas já estava separado... usei para amortizar parcelas. Para o mês que vem, para a alegria de todos (85%, segundo o Datafolha, para ser mais precisa) vocês. São mais 400 reais na conta para ajudar a amortizar as dívidas.

  • O apartamento, lógico. "Fontes seguras" garantem que sairá apenas em 2015, frustrando meus planos de sair do vermelho esse ano e começar a aportar ano que vem...

  • A mãe do meu "namorado" se mostrou uma jararaca e eu não vou conseguir de jeito nenhum o estágio que aumentaria meus ganhos em 75%...
Estou na Pinda...

Nada de notícias animadoras... mas vamos seguir em frente, né... 

21 de julho de 2014

Tatuagens

Pois é... aproveitei uma onda de furor sobre tatuagem e resolvi tirar a virgindade da pele...

Já tive N idéias sobre quais desenhos, locais e cores elas teriam... Hoje, já que debutei, resolvi contar um pouco mais.

Quando eu era adolescente (sempre nessa época, rebelde), comecei a ficar louca, zureta, vidrada numa banda muito conhecida, chamada Aerosmith, sobretudo no vocalista, Steven.

Meu sonho era casar com ele, ser feliz, ter filhos, blablablá... com o tempo, fui percebendo que isso não daria certo, então resolvi fazer a tatuagem que ele tem no braço, conforme segue


Daí a mania passou, haja vista que não poderia realizar esse sonho por falta de dinheiro e idade suficiente, fora a discordância do meu pai.

Esses dias, conversando com uma amiga que já está com mais de 15 tatuagens, ela me tirou todas as dúvidas e a vontade bateu de novo, porque agora eu tenho idade, tempo e, por ser feminista, mando na minha vida e no meu corpo ;)

Daí tive o insight de fazer uma tatuagem inspirada no feminismo. Se hoje eu tenho outra visão de mundo, questiono e faço para ser a mudança que quero ver no mundo, nada mais justo de começar com uma homenagem a essa luta tão apaixonante.



Procurando desenhos, deparei-me com alguns muito grosseiros, que não faziam meu estilo, outros, muito manjados e eu queria uma coisa não tão comum.

 















Foi aí que achei o desenho perfeito e agora tudo o que precisava era encontrar um bom lugar, comprar o material pós-tatuagem, inclusive comida e tomar litros de coragem... não tenho medo de agulha nem nada, mas medo de sentir dor.


Sempre fui avessa à dor. Não brincava na hora do recreio com coisas e pessoas que poderiam vir a me machucar... 



Escolha feita, fui lá e tatuei. A sensação é ruim, mas passa. Foi uma experiência legal... e não foi tão caro. Agora estou tomando as medidas para deixar o desenho bonito e bem acabado.

Era só isso... a pós me enche de trabalho e provas, por isso não tenho tido muito tempo para focar no blog, mas não morri, hehe.

Quis escrever sobre algo fácil e sem profundidade... voilà.

Vocês também têm tatuagens? Pensam em fazer (mais)?

(claro que não vou mostrar meu desenho, blééé!! Deixem a Bufunfa seguir anônima, hahaha)

7 de julho de 2014

Burradas homéricas

Como foi dito no arquivo anterior, já fiz minha própria coleção de burradas e hoje venho compartilhar com vocês. 

  1. Já peguei empréstimo para comprar debêntures. Sim, perdi dinheiro 2 vezes: pagando juros ao banco e me desfazendo dos papéis antes do prazo para quitar dívida. 
  2. Já peguei empréstimo para não mexer em dinheiro que estava rendendo, lógico, abaixo da taxa cobrada pelo banco. Fiz isso mais de 1 vez.
  3. Quando era mais nova,  achava que cartão de crédito era brinquedo, pois gastava um monte e pagava o mínimo. E atrasada.
  4. Cartão é perigo sem fim em mãos erradas: só em fevereiro cancelei 3 dos 4 cartões que tinha. Antes tivesse aprendido com os primeiros erros, pois meu corpo viraria sol, minha mente viraria sol, mas...
  5. Já comprei presente caro para namorado, parcelei em 10 vezes e o menino terminou comigo, quando ainda faltavam umas 8 parcelas...
  6. Já salvei os dados do cartão naqueles sites "seguros" e tive o maldito clonado: viajaram para o Japão de Tam e eu tive a maior dor de cabeça pra provar que não era eu (eu jamais voei de Tam e espero nunca ter de viajar, pois os aviões caem!)
  7. Já fiz cheque especial de complemento salarial, transformando minha vida em um inferno em poucos meses. 
  8. Já emprestei meu nome... adivinhem 
  9. Já emprestei dinheiro e perdi amizades... a pior coisa que uma pessoa pode fazer é me dever dinheiro: eu cobro. E sou chata. Gosto muito do meu dinheiro,  pois não o achei no lixo (quem me dera), mas, sim, foi conquistado com muito sangue, suor e lágrimas.
  10. Já comprei N complexos para emagrecer e descobri a dieta paleolítica logo em seguida: 300 reais no lixo...
  11. Já achei que gerente de banco era consultor financeiro... 3  planos de capitalização, seguro de vida, PGBL... cortei relações com ele e migrei para a modalidade digital depois de 4 anos pagando essas coisas. 
  12. Tudo que envolve a compra do apartamento, conforme escrevi aqui. Falando nisso... ainda não consegui resolver isso... aiai... farei uma promessa pública aqui: nunca mais compro imóvel na planta... só aborrecimento :(
Enfim... Foram essas que consegui lembrar agora. Devem ter muitas outras, um dia posso fazer a versão 2. Algumas atitudes são mais comuns, mas quis deixar registrado até pra mim mesma.

29 de junho de 2014

Os anti-heróis da minha vida e seus ensinamentos

Bandura dizia que, melhor que aprender com os nossos erros, só mesmo fazê-lo com os erros dos outros...

E, sim, vejo que é bem menos doloroso aprender com as burrada alheias.

Já errei muito, mas poderia ter errado mais, se não fosse essa aprendizagem vicariante. Meu melhor exemplo é meu pai: servidor público desde novo. Enrolado desde sempre.

Um dia me sentei perto dele e disse que poderia ajudar a montar uma planilha. Sentamos, fizemos e eu quase morri do coração: mais de 200 mil reais em dívidas com crédito consignado. Quase 30 mil com empréstimos, 5 mil no rotativo do cartão e uns 3 mil de cheque especial. Falei: papai, se eu tivesse esse valor em ações de boas empresas pagadoras de dividendos, sairia da IFES agora, Ahaha.

Trágico.

Tive uma amiga em Brasília que disse que ganhava 2 mil quando veio para a capital. Pouco tempo depois, passou em um concurso que pagava 5 mil e dizia que AGORA, SIM, não teria mais dívidas, pois ganhava bem e NÃO ERA MAIS POSSÍVEL se enrolar. Antes de voltar para o sudeste, soube que ela estava numa Agência, ganhando mais de 10 mil. Fui parabeniza-la pela conquista e ela disse que já estava pensando que 10 mil era pouco para o padrão de vida que almejava...

Aprendizados.

Tenho uma amiga que se deslumbrou com o salário que ganhava e resolveu ir numa grande loja de departamentos e mobiliou a casa toda. 4 meses depois, a empresa fechou, seu nome ficou sujo, foi "limpo" após 3 anos e hoje não tem crédito em lugar nenhum. Adivinha:  vira e mexe ela vem me pedir para tirar alguma coisa no cartão. E nem sempre paga em dia... eu já alertei que a última vez era a última mesmo. Isso foi há uns 18 meses.

O último ex era estagiário e não conseguia juntar dinheiro, pois ganhava pouco. Arrumou outro estágio melhor remunerado. Não sobrava. Arrumou um emprego. Trabalhava tanto que tinha "o direito" de se divertir non-stop nos fins de semana. Terminamos com ele ganhando mais que eu e torrando até o último centavo. Às vezes a mãe dele tinha de inteirar a passagem para ele ir trabalhar, pois gastou mais que podia. Não tinha dívidas, mas não ponho a mão no fogo... Não me surpreenderia se daqui uns meses me contasse que precisou pegar um empréstimo para comprar "aquele" console.

Aprendi muitas lições com essas pessoas. Elas são reais, com problemas reais. Foi vendo o desenrolar de suas vidas que pude ir filtrando o que eu queria ou não para a minha vida.

Hoje tenho dívidas e à medida que vou me dando conta de como cheguei até aqui vou me lembrando dessas histórias e vou montando um futuro diferente para mim.

E é assim que sigo evoluindo. Os blogs dos colegas me ajudam a construir um novo modelo mental, o da prosperidade, pois é melhor aprender com os erros e acertos dos outros. É mais barato ;)

19 de junho de 2014

Minha saúde

De acordo com a definição da Organização Mundial da Saúde...

Saúde é um estado de completo bem estar físico, mental e social.

Então, hoje resolvi abrir minha rotina quanto aos gastos com a saúde:

- PLANO DE SAÚDE
Meu plano é bom, na medida do possível, embora esteja naquela lista maneira da ANS de planos suspensos...

Faço check-up a cada 6 meses e meus níveis de colesterol, triglicerídeos, etc. estão normais, sendo a única alteração os altos níveis de anticorpo contra a  tireoide (450 u/ml)... isso tem baixado com  a alimentação, estavam em mais de mil antes do tratamento, embora nunca se normalize (até 34 anticorpos por ml de sangue).

- ALIMENTAÇÃO
Sigo a alimentação Paleolítica/Primal como estilo de vida desde dezembro, embora tenha tido contato com isso antes de virar modinha. Eu era cética e doente. Resolvi dar uma chance e não me arrependo. Resultado: mais disposição, perda de 8kg, memória melhor, menos espinhas e pele mais firme e a conversão: nunca havia gostado de cozinhar, mas agora eu me viro bem. Contras: é difícil comer em qualquer restaurante/lanchonete. Isso limita bastante a minha vida social, por exemplo, pois só encaro churrascaria hoje... nada de bolo, sanduíche, pizza, fritura ou sorvete... L
Mas a tapioca está liberada!!! EEEEEE
Minha comida é comprada em feiras, hortifrutis e açougues. E isso é bem barato onde moro hoje. Gasto menos com minha alimentação e remédios hoje que há 2 anos.

- EXERCÍCIOS FÍSICOS
Estava bastante empenhada até março no HIIT elaborado pelo PT Shaun T (ganhei resistência, perdi medidas (65cm de cintura, eeeeee), comecei a tonificar o corpo), mas meio que relaxei... espero voltar ainda esse mês (xô, preguiça!) e aliar isso a exercícios GAP. Gosto das aulas do Shaun T, porque podem ser feitas em casa, longe do ambiente predador e intimidador das academias e uso o peso do meu próprio corpo, não precisando gastar nenhum real nas Netshoes da vida.

- RELAXAMENTO
Esse item não tem aparecido muito recentemente, haja vista a combinação de pós-graduação com segunda graduação e cursos de extensão que resolvi fazer. Ainda assim, quando estou de bobeira (fechando todos os prazos, resumos, leituras etc. feitos), costumo ler (estou na metade de um muito bom: Odeio Meu Chefe! Como Sobreviver e Progredir Quando Seu Chefe é um Tirano, de Bob Weinstein), jogar videogame (tenho jogado Rayman e Kirby... quando tudo acabar, quero jogar Skyrim e Mario Kart 8), patinar e cair dentro d’água (praia, lagoa, piscina). Nada me acalma mais que o mar...

- TERAPIA
O vilão número um dos comentaristas do blog. Ah, a terapia! É por causa dela que estou a cada dia mais focada naquilo que quero, mais assertiva (antes era extremamente agressiva ou passiva, embora a paciência tenha um limite), mais controlada financeira e emocionalmente. Tem me feito bem. Considerarei o trabalho por encerrado quando resolver as 173549309 questões que preciso resolver e, para isso, não há literatura de auto-ajuda, conselho de amigo e senso comum que me ajude. Relembrando, saúde é um estado de completo bem estar físicomental e social. Sem cuidar do mental, não se consegue ir longe, né? E eu quero ir looooooooonge :D

É isso, pessoal. O que vocês têm feito nessas áreas e outras correlacionadas?

Hoje faço 2 meses de blog e, embora as postagens tenham diminuído por motivos já elencados, minha participação na blogosfera não acompanhou essa queda ;)

Quando eu tiver mais tempo livre (dentro de alguns meses), voltarei a postar com mais frequência, até porque calhará de ser na mesma época em que as dívidas começarão a ser liquidadas. Que venham esses bons tempos, né?

Um beijinho

11 de junho de 2014

Dia dos namorados

Dia dos Namorados!!! Ah!! O amor está no ar!!!

Estou meio que engatando um novo relacionamento (êêêêêêêê) e parei para pensar esses dias sobre essa data. Esse ano, não rolará troca de presentes, pois, como uma poupança, o bônus só vem no "aniversário", né? ;)

A pessoa vai ter de me aturar por 1 ano pra receber o primeiro presente nessa data, especificamente.

E motivos, não faltam, hehehe:

  1. Tô quebrada, pois a entrega do apartamento vai atrasar, então nada de me livrar de dívidas esse mês, o que dirá fazer luxos por "amor".
  2. É aniversário do meu pai e quem veio primeiro? O projeto de namorado ou meu papi? Nunca passei essa data com outro homem, senão ele, por respeito e por não querer confusão: restaurantes cheios, lojas cheias, trânsito impossível, romantismo 0.
  3. O apelo comercial para a data. Como o dia das mães, Natal e tudo o mais que criaram para vender.
  4. Parece que é a abertura da Copa... sem condições de sair.
  5. ...
Então é isso, pessoal. Aproveitem a data para refletir: 
  • Quem tem alguém, agradeça e valorize.
  • Quem não tem, o que isso lhe traz de bom e/ou de ruim para sua vida hoje?
  • Por que comemoramos dia dos namorados?
  • Até que ponto estamos medindo o amor que sentimos através do preço dos presentes que compramos? Por que, realmente, precisamos comprar algo para quem está ao nosso lado? 
  • Essa pessoa nos amará menos se não comemorarmos? Amarei menos se não receber presente?
  • O que há de melhor no sexo feito hoje que não pode existir nos outros dias do ano?
  • Vale a pena todo o sacrifício logístico para comemorar? Como fazer isso de forma mais frugal?
  • Já que é pra vender, não seria mais interessante criar o dia do FILHO, já que nem todo mundo é mãe, pai, criança ou tem namorado?
Não estou escrevendo super-textos por falta de tempo (as provas da pós e da segunda graduação se aproximam) e estou na areia movediça de trabalhos, resumos, resenhas, livros para ler... vocês sabem como é, né? Assim que a maré passar, eu volto com meus mega-textos ;)

Um beijinho

5 de junho de 2014

Como se aposentar aos 30

Li essa matéria recentemente no portal Ig:

"O canadense Pete – que não revela seu sobrenome por questão de segurança –alcançou o feito junto com sua mulher, porque ambos começaram a se preocupar com a aposentadoria desde os 20 anos.

Hoje, ele é conhecido por seu blog, Mr. Money Moustache, em que dá conselhos sobre como conseguir mais cedo a cobiçada independência financeira."

Tentador, não?

O segredo? Ele revela logo abaixo:

"'A filosofia é gastar menos, não importa o quanto você ganha. É preciso substituir atividades, como ir de bicicleta para o trabalho em vez de usar o carro, cozinhar sua própria comida em vez de ir a um restaurante a cada semana', diz Pete."

Ahhhh... quisera eu ter pensado assim quando pus meu primeiro salário de estagiária no bolso... Mas antes tarde que mais tarde, não é?

Já li também num outro site (cujo nome me falha agora) que existe um plano agressivo de economia para se aposentar em 5 anos: gaste apenas 20% do que você ganha e invista o "resto". Em 5 anos, você terá sua IF, desde que viva com apenas os 20% que você costumava gastar... 

20% é muito pouco pra mim. É viver com a insalubridade alta, heheh. É trabalhar muito e viver sem vontade de acordar... Não é um sacrifício que toparia fazer em nome da IF. Minhas projeções dizem que viverei com 47% do meu salário, poupando mais de 50% dele :)


E vocês? Quão ajustado está os seus balanços salário x aportes?

Vamos que vamos, rumo a IF e além!!!

A matéria completa do Ig está aqui:

Um beijinho

28 de maio de 2014

mais de 3000 visualizações!!!!!

Nossa, que legal!!! Não sabia que estava fazendo tanto sucesso (tá, vamos combinar que a maior parte das visualizações é minha, pra verificar se o texto está alinhado, legível, se a expressão x foi bem utilizada...), mas me surpreendi, hehehe

Obrigada pela visita, o carinho e a paciência de vocês... sei que de vez em quando estou com TPM e o texto sai meio desaforado, mas eu juro que não é proposital ou pessoal.

Temos visitas de vários países e isso é muito legal :D



Estados Unidos, Alemanha, Índia, Japão, Turquia... legal pra caramba :D

Vamos continuar juntos ^^

Um beijinho.

23 de maio de 2014

O sonho de ser empregada pública

Lembra quando te perguntaram o que você gostaria de ser quando crescer? O que você respondia?

Eu respondia que queria ser "que nem meu pai", servidor público concursado.

16 anos mais tarde, passei no meu primeiro concurso. Era em outro estado. Fui!!! Queria saber se essa era mesmo a vida que eu buscava.

Gostei, pero no mucho. Lógico que é melhor que ter o couro arrancado, mas... também me deparei com o Estado Burocrático de Direito, ehehe. Nada que desabone as condições de trabalho, logo quis crescer nesse ambiente: fiz outros concursos por lá (concursos locais) mesmo e passei. Fiquei feliz com os avanços. Achei que seria a única forma de voltar ao estado do Rio. Concursos federais: nada. Tentei outro concurso. Não queria deixar de ser federal (ego bobo), mas fui. Passei.

Não sabia que havia trocado minha vida por um inferno. Foi a coisa mais barra pesada que fiz na vida. Perdi minha situação financeira estável que adquiri no outro estado (não tinha papai nem ninguém que me socorresse, então não podia dar bobeira - comia bem, morava gastando pouco e fiz um boa poupança), pois precisava gastar para me sentir menos miserável por dentro (ficava, tão-somente, miserável por fora, hehehe). Teria direito à estabilidade após 3 anos, mas sabe aquele trabalho que te oprime, deprime? 

Num rompante de lucidez, fiz inscrição num concurso federal - IFES, suas lindas - e marquei férias. Estudei, pero no mucho, pois já não tinha pique nem força de vontade e, por um acaso, passei. Iria ganhar quase mil reais LÍQUIDOS a menos, mas a saúde poderia voltar, sem uma jornada de trabalho tão extenuante, afinal de contas, o ponto eletrônico só computava o horário certo ou o que você trabalhava a menos. Horas-extras sumiam de um mês para outro. Não se poderia compensar horário, era contra as regras da Diretoria. Trabalhava-se no mínimo 8h por dia, pois a jornada era insuficiente para cumprir prazos. Se você se destacasse (tive esse "privilégio"), você ganhava mais!!! Mais atribuições, lógico! O assédio moral era institucionalizado... enfim... que bom que passei!!!

Saí. Ganho HOJE mais que lá, pois as IFES valorizam toda forma de capacitação em que você esteja envolvido: acadêmica ou extra-curricular. Trabalho menos que lá, mesmo tendo várias atividades. Sou reconhecida como uma boa profissional... paraíso.

Mas e o que isso tem a ver com as empresas públicas? Bem, sabe a pirâmide de Maslow?



ANTES DAS IFES, estava no primeiro nível da pirâmide: vida no nível hard. DEPOIS DAS IFES: a vida pôde caminhar de forma ascendente, hoje considero que estou no nível amarelo. Da parte laranja, estou em débito tão-somente com a parte das dívidas, mas "isso também passará". Com nova vida, vieram novos horizontes e caminhos. Hoje, não preciso matar um leão por dia. Hoje já posso pensar na vida que quero amanhã, Non Dvcor Dvco, lembram?

E é por isso que penso hoje nas amadas, idolatradas, salve, salve empresas públicas: pra alcançar a parte verde, pois eu fui capaz de algo grande (minha auto-estima e sensação de conquista pessoal melhorará) e a parte azul, uma vez que realizar minhas ambições e propósitos de vida ficará mais fácil.

Para isso, mudei minha estratégia de estudos: antes, estava tentando passar como psicóloga, um trabalho semi-impossível (isso tá certo assim?) e agora comecei uma nova graduação - dois passos pra trás, pra dar 3 pra frente. Vai demorar mais? Sim. Há a certeza de passar? Não, mas isso não me impedirá de tentar. Um dos destinos do colchão de segurança será o pagamento de BONS cursos - cursos baratos não valem o investimento... mas eram os únicos que eu podia pagar na época das vacas magras... vou investir em mim! Vou conseguir! El rei Troll já me alertou uma vez que já viu muitas mulheres tentando passar num concurso de ponta sem sucesso. Minha resposta será minha vitória. Daqui a 4 anos, retomaremos esse assunto ;)

Um beijinho

19 de maio de 2014

Non Dvcor Dvco (Não sou conduzido, conduzo)

Lendo "Os segredos da mente milionária", de T. Harv Eker, deparei-me com a primeira lição:

"As pessoas ricas acreditam na seguinte idéia: 'Eu crio a minha própria vida.' As pessoas de mentalidade pobre acreditam na seguinte idéia: 'Na minha vida, as coisas acontecem.'"

Fiquei meio sem entender no início, mas logo me lembrei da música do Zeca Pagodinho - Deixa a vida me levar - e o sucesso que essa música foi nas rádios na época de lançamento e, mesmo hoje, é presença garantida em qualquer churrasco que se preze, vamos combinar ;)

Por que essa música faz sucesso? A letra é fácil de assimilar e acompanhar, repete várias vezes o bordão central da letra, como a grande maioria das músicas de hoje e AS PESSOAS SE IDENTIFICAM COM ELA. Zeca Pagodinho, como um grande compositor das massas, soube captar sua essência, sua alma, suas angústias e anseios ao escrever tal música. E ele, como músico, como artista que vive disso para pagar suas próprias contas lá em Xerém, está pouco se lixando para o fato de que essa música acalanta o escravo dentro de sua casa grande mental. Ele mais quer é que muitas pessoas ouçam, identifiquem-se e compareçam aos shows. E ele tá certo.

Somos todos adultos e sabemos o que é bom ou não para nós. Pelo menos, deveríamos saber. E, sabendo que não sabemos, procurar mudar essa realidade (meu caso hoje).

Isso não veio até mim como um rompante. Várias crises foram necessárias. Muita leitura. Muita discussão. Muito murro em ponta de faca.

Voltando à saga Hotmart, se hoje escrevo esse blog é porque eu quero sair da corrida dos ratos. Mas a pergunta que fica é: onde tudo começou?

Eu acessava um site chamado Mude.nu e os artigos deles são muito bacanas. Os primeiros artigos que acessei diziam respeito às estratégias vencedoras para se passar num concurso público bom e fui enveredando pelos outros assuntos.

No final do ano passado, acho, eles abriram um curso sobre autogerência pessoal, chamado Academia de Pilotos. Fiz. Gostei (acho que foi o melhor produto que comprei na Hotmart) e isso começou a mudar meu modo de ser. Saí da acomodação e da vida de lamentações, críticas nada construtivas, reclamações para uma vida mais proativa. Foi muito bom ter feito. Fez-me repensar muito sobre a vida.

Comecei a terapia, para continuar a me ajudar nesse processo, e a vida tem sido bem mais lúcida hoje. Consciente. Honesta. Sem a terapia, não teria avançado tanto. Só ler, não basta. Só querer, também não. É preciso se conhecer para mudar.

Acredito que essas mudanças têm iniciado a partir do momento que comecei a questionar e me questionar. Primeiro, no quesito religião. Depois, nos comportamento machista nosso de cada dia. Hoje, meu foco está voltado para melhorar minhas finanças e a qualidade de vida, como um todo.

Hoje sou menos tapada, guiada por pessoas que têm outros interesses que não o de me ajudar a me desenvolver e melhorar e espero ter essa mesma função na vida das pessoas que me cercam. Como diz o amigo Eike, hoje non dvcor dvco (Não sou conduzido, conduzo).

BTW, 1 mês de blog!!! Êêêêêêêê!!!!


Um beijinho

14 de maio de 2014

A armadilha da [minha] casa própria

Olá, pessoal!!!

Hoje vou falar sobre as armadilhas envolvidas na compra da minha casa própria.

Estava lá eu, no auge da paixão, louca para morar próximo do namorado. 
Namoro à distância é triste... as implicâncias são grandes e o tempo é curto... 80km de distância... sofrimento.

Eu já era funcionária pública, tinha dívidas manejáveis e morar na capital era um sonho. Fomos ver o apartamento. Me apaixonei. Me ferrei.

Era daqueles empreendimentos pobres, mas limpinhos. Os corretores vendiam o maldito com toda a pompa do mundo!!! "Vai valorizar pra car****!!!!" "Você vai poder vender pelo dobro em 2016!!!"
Não que eu quisesse; o sonho era ficar perto dele. E morar na capital... caipira... Era só pagar a entrada (15% do imóvel) e o resto seria negociado com o banco, quando as chaves fossem entregues. No hiato entre a venda e a posse do imóvel, não haveriam taxas, nem nada. Fiz uma dividazinha, pois poderia recuperar esse dinheiro até a entrega do imóvel.

Depois de quase 1 ano, a assinatura com o banco. A primeira desilusão: taxa de encargo de obras!!!
Disso os corretores não falam!!! Começou baixo, na casa das dezenas, mas rapidamente se transformou no valor que havia sido fixado para a dívida habitacional.

Vieram as compensações da entrada... ficou um valor em aberto e eu precisava pagar... "oba".
Vieram as taxas de serviços públicos: água, luz, esgoto, gás... saindo do meu bolso.
Vieram os pesadelos.
Veio o descontrole financeiro e emocional.
Veio o fim do relacionamento.

Ficar com o apartamento:
  1. irá me levar à falência, pois não tive tempo para me recuperar daquele primeiro empréstimo... estou com 300% de endividamento, fazendo de tudo pro nome não ir pros serviços de proteção... aos bancos...
  2. vai me dar nojo, por conta dos danos financeiros e psicológicos provocados pela imobiliária/banco /empreendedora
  3. vai me lembrar o falecido, pois corro com o risco de encontrar com a criatura na fila do supermercado (e isso vai acontecer no dia em que estarei com calças de pijama, cabelo pro alto e uma espinha no nariz, aposta quanto?)
  4. fará com que eu leve 3h na ida e 3h na volta do trabalho, pois fica longe pacas (quando eu comprei, trabalhava na capital, daí era menos longe)
  5. me trará problemas diverso$: vou ter de mobiliar, fazer mudança, pagar IPTU e condomínio, gastar mais em passagem...
Tô fora! Levei muito tempo para tomar a decisão de vender (e ainda fui criticada por muuuuuuuuuuuuuuuuuuita gente (vai demorar, mas é seu; quem compra terra, não erra; aproveita que a bolha está vindo aí; espera valorizar mais, blablabla), gente, aliás, que não paga minhas contas... é aquela velha história: criticar é fácil, difícil é ser eu.

"Mas quando você terá seu apartamento?". Quando assentar a minha bunda naquele cargo público: aquele que não tenha assédio moral, pague bem e me motive a desenvolver o melhor que há em mim. Nem sei se quero ficar no estado... o que adianta comprar agora? E se eu passar num concurso pra Brasília? Manaus? Curitiba? Quixeramobim? Cuiabá? Enfio meu apê onde? Alugo por menos que 0,5% do valor de venda? Valor que não paga nem o financiamento com a CEF?

Acho que agora é a hora de ser humilde, aceitar a perda, se perdoar e começar de novo. Vou ajudar meu pai com a conta de luz ano que vem, como forma de compensação. Vou pegar o dinheiro da venda para quitar a maior parte das dívidas.

Acho que o mais importante nesse momento está sendo o aprendizado.

E ninguém ensina melhor que a própria vida... Bandura estava errado, ahahaha

Abaixo, o que seria o tema da minha vida... mas to fora, ahahah


"Se eu não tenho o meu amor,
Eu tenho a minha dor.

A sala, o quarto, a casa está vazia,
A cozinha, o corredor
Se nos meus braços [ele] não se aninha,
A dor é minha, a dor".

Com a venda, novas possibilidades virão e estou aqui atenta às oportunidades ;)

Um beijinho

11 de maio de 2014

Pai, feliz dia das mães

Como vocês já  puderam acompanhar, moro com o meu pai.

E isso faz muito tempo!!

Faz tempo que ele me atura com as crises de adolescência, que ele briga por causa do horário (seja porque faltei aula por atraso ou cheguei tarde da rua), que ele aprendeu a cozinhar para nos agradar - e não somente matar nossa fome - que ele vem se sacrificando como pode para nos garantir o melhor...

Lembrando da leitura de Pai Rico Pai Pobre, diria que ele está mais para pai pobre, haja vista que esse é o pensamento da maioria: estuda, para ter um bom emprego e ter tudo o que não tive.

Estudei, me enrolei e agora estou mudando minha mentalidade para ter aquilo que ele não teve e ser aquilo que ele não é.

Depois que comecei a ler sobre educação financeira, quais não foram as vezes que eu quis introduzi-lo nesse mundo, para podermos ser um a mola propulsora do outro... em vão... Como diz o Victor Fox, é difícil ensinar truques a cachorro velho. Eu já não tento mais: depois que ficar livre das dívidas, vou comprar as dívidas dele aos poucos e fazê-lo pagar sem os juros tão abusivos que os bancos cobram... por enquanto, essa é a idéia...

Meu pai é pobre, mas é digno e honesto e isso eu sempre quererei e buscarei ser ;)

Pode não ser um pai rico, mas eu sei ler e chegarei lá com minhas próprias pernas. O mais importante, ele me deu: a minha vida e a vida dele, diariamente, há mais de 25 anos :')

Feliz dia das mães, pai.

Um beijinho

7 de maio de 2014

Mulher gosta é de dinheiro

Desde que trabalhei num órgão público voltado para as políticas de gênero, venho estudando sobre feminismo, generalizações e assuntos afins. Não vou me alongar muito aqui, pois o foco não é a polêmica - não muita -, haja vista que estou no meio dos Tutubarões da blogosfera.

Li vários blogs de mulheres que começaram a investir, pararam (por medo da exposição, por questões pessoais, por já não gostar do tema e/ou se interessar por ele, por ter achado perda de tempo, etc.).

Li vários blogs de homens que afirmam que as mulheres de suas vidas (mães, irmãs, esposas, namoradas, chefes, amigas, vizinhas, ex-namoradas...) ou são gastadeiras e que não podem ver nem um real sobrando que pegam E gastam (80% dos casos), ou estão se reeducando para não mais gastar sem pensar (18%) ou que realmente são centradas, mas a custo de ter se ferrado muito na vida ou na infância (2%).

Já senti com os comentários o peso de algumas generalizações acerca do tema Dinheiro e Mulher: ora dizem que não sou mulher, pois mulher que só tem 1 cartão de crédito e quer consertar suas burradas financeiras não existe, ora dizem que o blog não vai vingar, haja vista que muitas tentaram, mas poucas permanecem no ar por muito tempo, ora que qualquer coisa que eu poste não terá qualquer credibilidade por ser mulher.

Já vi gente postando que, na escala de dificuldade da vida, ser mulher era o nível easy da parada... Tá bom... nasceu mulher, as portas das oportunidades se abrem para você instantaneamente... ok... vou dar lenços de papel para essas pessoas e contar o meu dramalhão mexicano digno de Óscar. Minha vida não foi, nem é fácil. Nem de longe... Pobre coitado que escreveu isso. Perdeu uma leitora, ahaha.

Já me senti irritada, já dei risada e o que sinto hoje é que consolidar o blog será mais um desafio em meio aos N desafios que já carrego nas costas (mas antes isso, que nem isso... pois só me fortaleço com as vitórias ;))

"Mulher gosta de dinheiro e quem gosta de p*** é bicha"

Devo ser uma mulher-bicha, então, hehehe. 

Tirando o mérito sexual da questão, digo que realmente gosto de dinheiro. É bom, já me deu 545462 cacarecos, me levou para 84212 lugares, pagou 241456 passeios/livros/comidas que me fizeram felizes, até quebrar, perder, gastar, acabar. Gosto, sobretudo, do MEU dinheiro: nunca gostei de ter as contas pagas, sair na aba, ganhar vantagem em cima de ninguém, sobretudo homens. Por quê? Primeiro, serei taxada de N rótulos por isso, o que é escroto; segundo, me sinto como se estivesse devendo favores (não existe almoço grátis?); terceiro, eu trabalho porque quero, então pagar contas ou presentes são gastos que estarão previstos nesse fato; quarto, porque eu quero construir fortuna, e não se apropriar de uma que esteja "dando bobeira".

Gosto de homens que trabalhem. Não sei como me sentiria ao lado de alguém rico, tendo em vista toda esse discurso besta que homens e mulheres (decadente, isso) bradam por aí. Gosto, aliás, de ganhar um tanto a mais, para provar que eu sou suficientemente independente sem ele e que juntos somos mais (ok, hoje estou na titica dos pombos, mas isso VAI passar).

Não quero um casamento "tradicional". Nem filhos.

O dinheiro não gasto com casamento (100 mil) e filhos (700 mil, cada) usarei:
1. para fazer mestrado e doutorado até o cérebro explodir, por prazer de estudar mesmo, fora as especializações, cursos de reciclagem, de línguas, para aprender instrumentos musicais (piano, sax, guitarra, gaita...), grupos de leitura, aulas de teatro... o cérebro tem 100 bilhões de neurônios, gente ;)
Quero manter a empregabilidade alta AINDA QUE seja empregada pública (já terei saído da Administração Pública Direta quando isso começar a rolar). Estagnar, jamais!!! 
2. para deixar o canto que eu moro o mais funcional possível, para que seja fácil e barato de limpar, manter e conservar. Nada de cacarecos. Quando se mora sozinha, você percebe que excesso de frufrus atrapalha demais a limpeza, a organização e o ambiente tende a ser mais bagunçado...
3. para fazer algumas benfeitorias voluptuárias, tanto físicas, quanto cursos e workshops, afim de manter a atenção do moço escolhido, a autoestima na estratosfera e pra me sentir bem perto desse juventude que já vem com silicone de fábrica, ahahaha.
4. para doar: não dinheiro, pois não sou otária, mas fralda geriátrica, insumos hospitalares, cesta básica e essas coisas, além de doar meu tempo. Quero usar meu diploma de Psicologia pra fazer alguma diferença na vida dessas pessoas.
5. para viajar e conhecer o mundo - começando pelo estado do Rio, depois Brasil e depois mundo ;)
6. ... hão de surgir coisas para se fazer ;)

É isso. Gosto de dinheiro: do MEU dinheiro. Com ele, poderei fazer muitas coisas legais (para mim). O céu é o limite. Foi por isso que resolvi encarar meu problema de frente.

A blogosfera tem me ajudado muito, ora por perceber que tem gente estranha que não gosta de consumir desenfreadamente, ora porque eu aprendo com o erro dos outros, ora porque eu aprendo com os acertos dos outros, ora porque estamos todos juntos, não importando o meio, nessa caminhada rumo ao primeiro milhão, à Independência Financeira, a uma vida mais confortável, etc.

Vamos todos juntos, de mãozinhas dadas :)

Um beijinho

4 de maio de 2014

Mulherzices

Eu juro que já tentei, mas eu não consigo.

Eu não consigo andar de salto.
Eu não consigo sentar direito de saia/vestido.
Eu não consigo pintar unhas, fazer sobrancelhas, depilar-me com cera - dói!!!!
Eu não consigo me maquiar, mal lembro de passar filtro solar.
Eu não consigo permanecer de maquiagem por mais de 2 horas - esqueço e meto o dedão, deixando minha cara no estilo panda.
Eu nem gosto de pentear o cabelo (é cacheado, então é só moldar com água que fica bom).

Já trabalhei num lugar em que as mulheres do meu setor eram todas arrumaaaaaaaaadas, perfumaaaaadas, feitas na porcelana ou no bisturi. Nada contra, mas não sou assim. Foi lá que eu conheci o ex. No meio de tanta beldade, ele quis ficar comigo, aquela quem andava feito uma mendiga, ahahaha, com o cabelo pro alto, mas gostava de videogame e conversava sobre a vida. "Azamigas" falavam que, se eu não pintasse as unhas, o cabelo, os pelos da churréia... ele me deixaria... mas não foi por isso não...

É uma merda o padrão de beleza que a sociedade impõe à mulher. Minha autoestima é baixa, mas já está sendo trabalhada na TERAPIA, além de outras crenças.

Hoje penso em fazer algumas mudanças físicas - quem sabe, mais peito, mais bunda? -, intelectuais - 2 pós-graduações na área de Administração Pública/Direito Administrativo e internas - racionalize seus gastos, pois, assim, racionalizará seu ciúme, poderá conter o descontrole e aí a convivência será plena.

Não vou ser só uma mulher gostosa, mas bem mais que isso. Se isso me fará feliz? O que me faria feliz seria uma sociedade em que a livre expressão do ser fosse permitida, então, não, isso não me fará feliz. Isso me fará menos infeliz? Podes crer.

Quero aprender a ser mocinha, a não falar palavrão, caralho!!! E poder defender meu ponto de vista de maneira assertiva. Jamais baixar a cabeça, mas também sem exaltações. Aos poucos, vou mudando... Moldando... Formatando... Emburrecendo(?) Não, aí já é demais, hehehe. Exagerei.

Falta muito ainda para eu chegar no patamar panicat de ser, mas hoje falta menos que ontem.

Falta muito ainda para eu chegar no patamar Maria Sylvia Zanella di Pietro de pensar o Direito, mas hoje falta menos que ontem.

Falta muito ainda para eu chegar no patamar Simone de Beauvoir de agir, mas hoje falta menos que ontem.

Muitos homens ainda virão, pela casca. Alguns homens permanecerão, pelo conteúdo e eu saberei ser feliz com ou sem eles na minha vida (um de cada vez, claro). Com ou sem a unha feita ;)

Um beijinho

30 de abril de 2014

Maldita Hotmart

Eis que você vê uma chamada interessante na internet. Clica. Vê o vídeo e se dá conta de algo muito importante. Embaixo dele, um campo para você colocar seu email e receber mais informações, afinal de contas, você só viu a ponta do icebergue.

Põe e-mail, cadastra, confirma! Você agora está inscrito no seleto grupo de pessoas que terão acesso aos segredos acerca de ______________ (coloque o assunto que você tem mais vontade de saber/ entender /aplicar).

Alguns, não fazem apenas um, mas 4 vídeos, de periodicidade semanal e quando você chega no último vídeo, você não se aguenta mais de tanta ansiedade e c* doce do seu "mestre". Aquele produto vai revolucionar sua vida! Você pode escolher 2 caminhos:

1. Ignorar e permanecer no seu labirinto dentro da caixa e sem perspectiva nenhuma de ser bem sucedido na vida ou
2. Aproveitar essa oportunidade ÚNICA para poder ser mais ______________ (acrescente a característica que deseja ter).

"Vamos te dar um prazo curto, pois estamos doidos pra começar a mudar a sua vida!

Lembramos também que as vagas são LIMITADÍSSIMAS, pois não queremos que os alunos/ aprendizes/ trouxas sejam mal acompanhados. Vamos construir o seu destino do 0 e você não vai se arrepender. 

Sei que você pode estar com medo (quem não teria?), mas lhe daremos uma garantia, ora pois!!! São 30 dias de garantia. Se você não virar o pica das galáxias em ____________ (acrescente a característica que deseja ter), devolveremos o seu dinheiro, pois não se trata de dinheiro!!! Não estamos querendo o seu dinheiro, mas tão-somente ajudar no desenvolvimento das pessoas/do país/do mundo, pois temos uma missão muito maior que ficar rico replicando vídeos, textos e comentários dentro de um ambiente fechado e pago. Você não terá nenhum risco nesse negócio!!

Antes de falar de valores, antecipo que estamos dando um super desconto nele, pois acreditamos no poder de nosso produto e na sua satisfação em comprar conosco. Somando todos os 52628 bônus, as horas de estudo e trabalho que despendemos para finalizar um produto profissional e de primeira necessidade (que você não tinha antes de assistir aos 4 vídeos), nosso curso teria seu valor, por baixo, em uns 5 mil reais, mas, como essa é a nossa primeira turma, daremos um desconto para você, que nos acompanhou, saindo por apenas 997 reais, parceláveis em 12x com juros de 2% a.m.

Aproveite essa chance! Ela pode nunca mais voltar!!!

Fuja da ignorância e vem ser bem sucedido em ______________ conosco!"

Tentado, você fala: e agora, meu padim Ciço?

E... Compra!!!!

Sente-se feliz, vitorioso, começa a ter os primeiros contatos com a plataforma interna do site, pois é só para os VIPs, e a sua vida nunca mais será a mesma!!

Peraí... Sua vida FINANCEIRA!

Bichim! Ta doido? Você se endividou por 12 meses por um curso que te prometia ensinar a se livrar das dívidas, das armadilhas do consumo desenfreado e te ajudaria a construir sua independência financeira PAGANDO JUROS DE 2% a.m. no cartão?

Agora você vai queimar gordura em x horas malhando x minutos por dia ou ganhar músculos de Schwarzenegger? Vai aprender x vezes mais rápido? Vai ter uma coach para concursos só para você por 2 meses e lhe permitirá passar na Receita, TCU ou Senado? Vai aprender inglês em x semanas, falando fluentemente? Vai aprender a cozinhar, montar um site e viver da renda dele, aprender a tocar violão ou escrever em japonês com o famoso método x? Tu é foda mesmo!!!
-------------------

Sim. Eu já comprei produtos da Hotmart. Sim, eu sou culpada. Sim, eu comprei tanto que já decorei o discurso deles e foi por isso que fiz esse post.

Agora, 1 minuto de silêncio.

27 de abril de 2014

Minha estratégia

Ainda estou estudando sobre investimentos e a vida anda meio atribulada, por conta da venda do apartamento, faculdade e trabalho.
A princípio, tenho vontade de garantir a aposentadoria no Tesouro Direto, fazer o colchão de emergência na poupança e no TD (LTN) e, só depois, diversificar.
Abaixo, segue minha planilha de gastos hoje (meu salário tá maior porque eu recebi um dinheiro de presente), em seguida, como ficará quando eu me livrar do apertamento e alguns encargos (ainda nesse ano) e, no outro, quando eu ficar totalmente livre de dívidas (ano que vem), desconsiderando aumentos de salário.


Credores - dívidas que assumi como minhas para ajudar a outros, geralmente o meu pai (o grosso da coisa), e, hoje, meu cunhado (menos de 30 reais).
Percebem que meu aporte ano que vem, desconsiderando aumentos, tem um valor consideravel: quem não poupava nada, pois não sobrava, agora poupará mais de metade do salário!!! Sei que é pouco para o padrão da blogosfera, mas é no máximo que posso economizar, por ora.
O 13º será integralmente usado para investir e os aumentos que vierem servirão para eu assumir a conta de luz lá em casa. Meu pai ganha bem no bruto (carreiras de estado), mas é um pé rapado no líquido e eu preciso ajudá-lo, né, gente? Já não pagarei financiamento de apartamento, móveis, condomínio, IPTU, o vale transporte iria quadruplicar, fora os encargos invisíveis que sempre surgem do nada, então creio que não é mais que minha obrigação.
Na tabela abaixo, listo meus compromissos financeiros, discriminando, inclusive, meus consignados. O FIES será a última dívida a ser paga, junto com as parcelas dos cartões: os juros do FIES são menores que os da poupança e as compras parceladas não têm juros, então é melhor aportar esse dinheiro.

Já abaixo, minha estratégia financeira.

Não sei se é certa ou errada, mas é nisso que eu venho pensando.
Em vermelho, meu colchão de emergência - que ficará na poupança e em LTN (fiz cálculos e a LTN resgatada em 30 dias ainda é melhor que a poupança!!!)
Em amarelo, o grosso do meu (futuro) patrimônio, referente à minha independência financeira - o CDB é o CDB direto ou qualquer coisa que o valha em termos de rentabilidade e o NTN-B Principal de maior vencimento. Sim, eu preciso de muito pouco pra ser feliz.
Em verde, minha renda variável, que começará tímida enquanto eu estiver fazendo meu colchão e minha IF, ficando mais intensa após concluir os passos vermelho e amarelo. Cielo é só elogios e eu escolhi a CCR porque vive aumentando a tarifa, essa danada. Pus 2 índices, por preguiça de ler e aprender sobre ações hoje... mas muita coisa pode mudar quando eu resolver investir nelas :)
FII/LCI são aplicações que demandam estudo e só investirei se ainda for bom quando eu já estiver bem estabelecida nos passos vermelho e amarelo.
Tudo, em valores descontados de juros, dará a soma de 316 mil reais. A tabela que vem abaixo só será considerada quando eu estiver lá, ai, que emoção, nas empresas públicas de grande porte: BNDES, EPE, FINEP (ou SEM: Eletrobrás, Telebrás, Petrobrás, etc.).

Você trocaria sua estabilidade por um emprego público? Ficou louca?
Claro, pô. Hoje!! Agora! Meus motivos:
  1. Porque a estabilidade acomoda e isso me incomoda.
  2. Porque quero trabalhar num lugar que não faltará papel higiênico, caneta, filtro de café, etc. e tenha PCs defasados, mobiliário ergonomicamente inadequado...
  3. Sonho com uma carreira baseada em mérito.
  4. Não quero me sujeitar ao teto constitucional (no meu atual cargo, jamais baterei no teto, mas deixa quieto, hehehee)
  5. Porque eu não vou ficar parada: terei alta empregabilidade, haja vista que os estudos não cessarão após a assinatura da CTPS, mas tão-somente será direcionada a outras áreas: línguas, mestrado, aperfeiçoamento, atualização, extensão...
  6. Pelos mimos. Comparo o SPF na Administração Pública Direta e Indireta (apenas as autarquias e fundações públicas) com comer num bandejão e, trabalhando numa EPE da vida, jantar num restaurante de luxo.
  7. Salário: nunca aportarei mais de 2,5 mil... já num booooooooooom emprego desses, os aportes poderão ser enormes, chegando aos 6 mil.
Só tenho motivos!!! Fiz Psicologia e é tarefa de Hércules passar num concurso desses para Psicólogo!!! Nas planilhas de contas, vocês veem que eu pus faculdade: comecei a fazer a segunda graduação em Administração!!! O ponto final é um desses cargos. Já que não cheguei pelo caminho A, o caminho B está sendo construído ;)
Na tabela abaixo, meu plano de desinvestimento, já que não quero levar meus milhõezinhos (lembram do Marcos Luque?) pro crematório, né?

O que vocês acharam? Deixem um comentário ;)
Um beijinho

23 de abril de 2014

Meus Mestres

Eis que você está no fundo do poço e não sabe por onde começar...

Meu salário está comprometido com 4 créditos consignados, os encargos de obras do meu apartamento comprado na planta e na inocência, as taxas de serviço público do mesmo, a conta de 4 cartões de crédito (3 eu já cancelei, mantendo apenas 1) e 1 de loja (penso em cancelar na próxima vez que passar na porta da loja), meu plano de saúde, 3 créditos automáticos que peguei pra conseguir fechar o mês no passado e internet.
De cerca de 2,3 mil de renda, gastava por volta de 4 mil reais, antes de começar a acompanhar de perto a minha vida financeira... Quando tomei essa iniciativa, percebe-se, caí pra trás!! Fiquei com vergonha de mim mesma e decidi, então, mudar.
Meu último gasto antes dessa iniciativa de controlar as finanças foi a compra de um tablet caro, que substituiria um outro, da marca concorrente, que comprei há menos de um ano. Uma semana após mexer no aparelho, vi o quanto fui burra e esse gasto foi desnecessário... mas era tarde...
Coloquei minha renda e os débitos em uma planilha e percebi que havia um descontrole frenético... a partir daí, minha vida mudou!!
Comecei a ler e buscar referências, daí conheci a comunidade Mude.nu, devorando o que eles tinhas já escrito sobre produtividade, independência financeira e minimalismo. Percebi que teria de dizer adeus àquela vida e passar a agir de outra maneira, para não falir.

Comprei um livro, que, para mim, foi fundamental e veio numa excelente hora: Dívida Boa, Dívida Ruim, do Jon Hanson. A partir de todas as informações conseguidas, montei meu plano de ação e comecei a agir.
O primeiro passo foi me livrar do apartamento: comprei num momento de euforia, fui enganada de todas as maneiras pelos corretores e gerentes e estou pagando o pato. Aquele que era para ser meu lar, doce lar virou meu pior pesadelo e rápido!!! Foi tão broxante todo esse processo que eu perdi a vontade de morar no empreendimento, tomando nojo da área, inclusive.

Anunciei e em 3 dias já havia conseguido umas 13 pessoas interessadas, mas também, pudera: joguei o valor dele no buraco, pois só queria me livrar o mais rápido possível, ressarcindo apenas o que já gastei, sem lucrar nada com isso. O valor foi uns 30% do valor que o mercado estava cobrando. A venda já está acertada para quando as chaves forem entregues. Enquanto isso, sigo estudando para dar a melhor destinação possível ao dinheiro recebido.
Esse dinheiro melhorará muito minha saúde (que saúde?) financeira e, após conseguir quitar as dívidas mais caras e os créditos consignados, hei de iniciar meus planos de poupar, investir e enriquecer, de forma que essa história seja um capítulo já ultrapassado da minha história.
Abaixo, listo os sites, blogs e livros que ando lendo afim de mudar as configurações da minha vida financeira. Acredito que, sem eles, eu nada seria.

Um beijinho

Sites:
Valores Reais
Mude
Além da poupança
Dinheirama
Quero ficar rico

Livros:
Dívida Boa, Dívida Ruim - Jon Hanson
Dinheiro: Os Segredos de Quem Tem - Gustavo Cerbasi
Os Segredos da Mente Milionária - T. Harv Eker